Microrganismos Eficientes de Mata ( M.E.M.)

11 comentários sobre “Microrganismos Eficientes de Mata ( M.E.M.)”

  1. Boa tarde! muito bom o site. Utilizo M.E.M. a algum tempo e gosto bastante dos resultados, mas gostaria de entender qual a diferença entre os microorganismos que capturo no arroz. Utilizo apenas os de cor clara, mas as vezes mais do rosa, as vezes mais do amarelo, do cinza….branco….como saber qual o efeito específico de cada um? Muito obrigado

    Curtir

    1. Boa Tarde

      Esse artigo, inclusive, está sendo re escrito porque quero introduzir várias novidades que tenho sobre o assunto.
      Respondendo a sua pergunta, não podemos saber o efeito específico de cada um deles mesmo usando a cor
      como parâmetro porque simplesmente existem vários fungos e actinomicetos de cor branca, rosa, etc…

      O que sabemos, entretanto, que as florestas e matas são os locais onde esses fungos e demais microrganismos ainda
      estão presentes, dai o nosso interesse em captura-los, multiplica-los e usa-los em solos já em processo de degradação
      principalmente microbiológica.

      O que sabemos, e que me foi ensinado pela Dra Elaine Ingham, quando ela ainda era professora em Corvallis, Oregon,
      é que os de cor branca e rosa são geralmente os benéficos e os de cores mais escuras como vermelhos, cinzas e pretos
      não seriam tão interessantes para se utilizar.

      Eu não uso mais arroz cozido, pois acho pura perda de tempo e me limita muito pois quero capturar quantidades maiores
      de M.E.M. Eu uso Farelo de Arroz, Carvão em Pó, Acido Húmico (que é um excelente alimento para fungos) e uma
      serragem de pau podre que recolho na própria mata. Rego essa mistura com muito pouca agua e adiciono ácido húmico
      e kelp. Coloco em sacos feitos de poliester ou nylon malha 50, mais ou menos que cabem uns 15 a 20 kg dessa mistura
      e os levo até a mata, limpo a serrapilheira e cavo uma pequena trincheira com 20 a 25 cm de profundidade e os enterro.
      Deixo por uns 10 a 15 dias, dependendo da temperatura e da chuva, e depois recolho.

      É assim que estou capturando M.E.M. Depois com esse material multiplico com mais farelo ainda, carvão e serragem de pau podre
      de mata e ácido húmico, pouco melaço e kelp. em tambores sem ar.

      Dai seguimos para os tambores com agua e melaço pra fazer o M.E.M. liquido.

      Abraços

      Jose Luiz M Garcia

      Curtir

  2. Muito obrigado pela resposta! Vou tentar dessa maneira também.
    Mas fiquei com mais uma dúvida: os organismos mais benéficos não são os aeróbios? Faz sentido reproduzir os anaeróbios e facultativos nos tambores sem ar e depois aplicar no ambiente aeróbio? Será que daria para, depois de capturar os microorganismos na mata, reproduzi-los no biorreator aeróbico, assim como o Compos Tea?
    Muito obrigado!!
    Abraços!
    Fábio Ribeiro

    Curtir

    1. Boa Noite

      Essa história de que os aeróbicos seriam os mais benéficos é uma longa história que começou
      com a tradição européia da Compostagem Aeróbica. A Dra Elaine Ingham ajudou a reforçar esse
      mito mas eu já tive a oportunidade de escrever sobre isso. Procure meu artigo sobre Compostagem,
      leia-o e entenderás o porque desse mito.

      Os organismos que estamos coletando na mata são na sua maioria facultativos.
      Sendo os dois grupos principais as leveduras e as bactérias lacticas. Esses são os dois
      grupos principais e com um pouco de sorte coletamos também RodoPseudomonas sp.
      A Rodopsudomonas sp. é “o cara” de todos esses organismos porque dispõe de 4 metabolismos.
      Isso não é pra qualquer um não.

      Reproduzir os organismos de mata em bioreatores não vai funcionar muito bem porque os fungos vão ficar de fora,
      mas com certeza as bacterias, as actinobacterias, e os protozoários terão alguma chance.

      Quando se fala em “Compost Tea ” é preciso saber qual o tipo de equipamento que vc irá usar porque
      alguns não possibilitam o crescimento de fungos. O tipo que eu uso permite o desenvolvimento de fungos
      e também é fácil de limpar.

      Abs

      José Luiz

      Curtir

  3. Boa tarde
    Entendi, muito obrigado pela resposta!
    E como seria uma boa maneira de reproduzir fungos? O modelo que tenho aqui é um tambor com o fundo em forma de funil, e uma bomba de ar forte bem no meio do funil, assim, todo sedimento tende a ir em direção a coluna de ar, que os lança pra cima e agita todo o conteúdo do tambor.
    Li o artigo sobre compostagem, muito interessante.
    Mas se eu for aplicar M.E via irrigação por exemplo, supondo que eu não esteja preocupado com os fungos (lógico que estou, apenas um exercício didático), no biorreator aeróbico a contagem de microorganismos por volume de líquido é maior do que em garrafas fechadas com água e melaço, não ( água e melaço em garrafas fechadas foi como aprendi a fazer o M.E)?
    E se isso for verdade, não é importante aplicar o M.E em alta contagem considerando que são microorganismos estruturantes da comunidade microbiológica?

    Outra coisa: crio peixes no tanque de irrigação da horta, e fiz o sistema de aeração do tanque de forma a levantar o sedimento do fundo e potencializar a produção de Chlorella sp. Fiz isso a uns 10 dias, e tenho a impressão que aumentou a quantidade de minhocas na horta. Procurei na internet e não encontrei informações sobre uso de algas verdes de água doce na agricultura, será que elas servem de alimento para protozoários? Ou por serem fotossintetizantes produzem alguns hormônios vegetais?
    Muito obrigado!
    Abraços
    Fábio Ribeiro

    Curtir

    1. Boa Tarde

      A reprodução de fungos tanto em meio sólido quanto em meio liquido poderá ser efetuada porém é um assunto
      extenso demais para ser abordado nesse espaço.
      O modêlo que você descreve é um sistema “Vortex” e poderá ser usado. Eu já usei.

      Com relação a peixes, camarões, etc… a utilização de E.M. é altamente desejável para diminuir o nível
      de nitratos e amônia em suspensão nos tanques.

      Esquece tudo o que lhe disseram a respeito de “multiplicação “de E.M. Não é daquele jeito, OK ?

      As algas de solo, por serem plantas, também sintetizam açucares e assim alimentam as bactérias
      do solo e são um importante elo da cadeia alimentícia do solo.
      Se elas alimentam preferencialmente as bactérias, indiretamente estão alimentando os protozoários
      pois esses se alimentam das mesmas.
      Como fonte de hormônios ( PGR ) os atores mais importantes seriam as bactérias e actinomicetos que conseguem
      penetrar nas raízes.
      As algas são um importante componente do solo por produzirem acido carbônico e com isso solubilizarem
      as rochas adicionadas ou o remanescente delas no solo. Algumas ( Blue Green ) possuem a Nitrogenase e com isso
      fixam Nitrogênio. É dessa forma que as plantas de arroz conseguem o N na agua na qual são cultivadas.

      Algas, assim como as bactérias, produzem mucopolisacarídeos ( substancias grudentas = cola ) que ajudam
      na estruturação do solo e formação dos agregados do solo.

      Abs

      José Luiz

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s