Composto ou Humus ?

15 comentários sobre “Composto ou Humus ?”

    1. Muito Obrigado pelas suas palavras de incentivo.
      Cumpre-me esclarecer que não somos o “Instituto Biológico” mas sim o “INSTITUTO DE AGRICULTURA BIOLÓGICA.
      O Instituto de Agricultura Biológica, desde 2015 quando foi iniciado, é um Instituto virtual que tem cumprido muito bem com todas as suas finalidades para as quais foi criado, isto é, prover informação de qualidade sobre Agricultura Biológica, uma nova modalidade de produzir alimentos com qualidade e com densidade nutricional, para o publico de lingua portuguesa.
      O fato de não termos um endereço fisico em nada dificulta o nosso trabalho, pois estamos em contato direto com o nosso publico
      leitor quase que todos os meses por meio de cursos que efetuamos em vários locais do Brasil.
      Por exemplo, em Outubro fizemos um curso em Santa Maria no RS e em Novembro em Três Pontas, MG. Em Janeiro teremos um outro curso em Pindamonhangaba em São Paulo.
      Hoje temos milhares de leitores não só no Brasil, como também, em outros países de lingua portuguesa como Portugal, Cabo Verde, Angola, Moçambique, Guiné-Bissau, bem como em alguns países de lingua espanhola como o Paraguai, Espanha, Chile, Colombia, etc..
      Temos leitores até nos Estados Unidos, Israel e em países nórdicos.
      Se fossemos um Instituto físico não teríamos tantos leitores como temos atualmente.
      Só para que vc tenha uma idéia, o “Instituto Biológico”, órgão da administração direta da Secretaria de Agricultura do Estado de São Paulo,
      tem menos acessos na internet do que esse nosso blog. Basta vc acessar o nosso blog, via Google, para verificar que o site do Instituto Biológico vem logo abaixo após o site do nosso blog. O Google lista os sites em função da acessabilidade.
      Permita-me recomendar a sua Fazenda Ambiental não só esse mas também os demais artigos do nosso blog.
      Caso queira me contatar via e mail : drvinagrephd@gmail.com

      Atenciosamente

      José Luiz M Garcia

      Curtir

  1. Muito bom o texto. Por isso gosto muito dos sistemas agroflorestais, que através das podas constante de árvores, arbustos, herbáceas e capins permitem a constante incorporação de matéria orgânica no solo e , além disso, imitam as condições de temperatura, luminosidade e ventilação das florestas. Um abraço e obrigado por compartilhar seu conhecimento.

    Curtir

    1. Sim.
      O sistema agroflorestal permite que material RAMIAL seja disponibilizado para ser transformado em humus pelo próprio sistema, o que por si só já seria muito bom.
      Talvez esse união da compostagem estática em big bags feita dentro das matas nos permita a produção de composto humificado para ser usado como inoculante em outras areas fora do sistema agroflorestal.

      Curtir

  2. Muito bom, bem esclarecido, vejo muitas empresas divulgando condicionador de solo com microorganismos eficientes, e outros, já usei não tive resultado, vejo agora que voltar a ter os microorganismos natural em solos degradados vai muito além.

    Curtir

  3. Boa tarde
    Aplico Compos-Tea, MEM e outros nos meus plantios e vejo claros resultados positivos. Mas recentemente relendo o Manejo Ecológico do Solo, da Primavesi, ( que é um ótimo livro na minha opinião) ela cita dois motivos para não aumentar o atividade microbiológica do solo:
    1- o aumento da atividade microbiologica aumenta o consumo de oxigênio no solo, sobrando menos oxigenio para as raizes das plantas.
    2- o humus é, segundo o livro, produto da decomposição incompleta da M.O., dessa forma, quando os microorganismos terminarem de decompor a M.O., vão decompor o húmus.

    Essas duas situações podem ocorrer? O húmus realmente é fruto da decomposição incompleta ou hoje é tido como certo que resulta da respiração microbiológica?

    Muito obrigado desde já
    Abraço.
    Fabio

    Curtir

    1. Caro Fábio,

      Eu sabia que uma hora, mais cedo ou mais tarde, isso haveria de acontecer e Deus sabe o quanto eu rezei para que isso não acontecesse.
      Um dia, alguém iria pedir a minha opinião sobre a Primavezi e eu fatalmente teria que expor esse lado, digamos assim, menos conhecido e menos comentado e, com isso, eu poderia ser até taxado de iconoclasta.
      Entenda, eu não gosto de apontar os defeitos nas outras pessoas, mas se eles existem e estão interferindo no processo de esclarecimento dos ensinamentos dessa nova agricultura eu não exitaria em fazê-lo em momento algum.

      Por outro lado, brasileiros são seres temperamentais e reagem emotivamente, e não racionalmente, dando margem a reações de ordem
      até politico-ideológicas muitas das vezes.

      Talvez eu pudesse até ser mal interpretado porque, queiram ou não, ela é um ícone da agro ecologia, não só no Brasil como também em diversos outros países da America Latina ( as vezes também chamada mais apropriadamente de America Latrina).

      A Ana Primavezi foi alçada a categoria de ícone por quem entende muito pouco de ciências, ou seja, a esquerda brasileira e suas ramificações
      internacionais. Algum dia alguém, e não serei eu, irá escrever a injustiça que a esquerda fez com o seu falecido marido, o Prof Arthur Primavezi, esse sim o grande teórico da Microbiologia do Solo. O que eu tenho observado nessa senhora é que os seus conceitos de
      Matéria Orgânica do Solo datam da década de 30 onde ainda se conhecia muito pouco sobre esse assunto.
      Ela não se atualizou, por assim dizer. Prefiro chamá-la de desatualizada do que de qualquer outra coisa.

      Isso o que você acabou de relatar sobre a Ana Primavesi, essas barbaridades, são uma constante em toda a sua obra.
      Por exemplo, nesse mesmo livro na pagina 111 ela declara : “as substancias chamadas de ácidos húmicos não são solúveis na agua (sic), mas de decomposição relativamente fácil (sic) “. Ou seja, ela conseguiu errar duas vezes em uma única frase.
      Eu não teria essa capacidade toda, admito.

      Ora, qualquer criança sabe que os ácidos humicos são solúveis em agua desde que o pH seja alcalino e por isso mesmo são uma excelente
      ferramenta usada na Agricultura Biológica. Solubiliza-se ácidos húmicos em agua todos os dias por esse mundo afora.

      Da mesma forma qualquer garoto de ginásio sabe que uma das estruturas mais complicadas que existem na Natureza são as moléculas de humatos ( que englobam ácidos fúlvicos, húmicos e huminas ) e que, e por isso mesmo, até o presente momento não foram sintetizadas artificialmente. São macro moléculas de peso molecular entre 2.000 até 300.000, ou mais, Daltons .
      Por serem tão complexas, por definição, não podem ser decompostas com facilidade.

      Aquela afirmação de que o aumento da atividade microbiológica do solo aumenta o consumo de oxigênio no solo e que “sobraria menos
      oxigênio para as raízes” é de um primitivismo tão rasteiro, cientificamente falando, que tem até a capacidade de me provocar nauseas.
      Quem afirma tal disparate, nunca estudou Fisico-Química, como a maioria dos agrônomos. Nem na pós graduação. Não é o meu caso,
      obviamente, que estudei, Graças a Deus, em uma verdadeira Universidade onde o conceito de Universalidade era mantido, respeitado
      e exigido, e por isso tive a chance de estudar essa e outras matérias fora do universo agrícola.

      Quem afirma tal coisa não faz a menor idéia de como o oxigênio se difunde em meio gasoso que é a condição em que se encontra o
      solo normalmente, a menos que esteja encharcado. Nem que ela quisesse, isso não ocorreria. Ponto. Irá faltar oxigênio, somente se houver
      impedimento físico causado por compactação do solo ou por encharcamento.

      A outra afirmação de que “o humus é produto da decomposição incompleta da Matéria Orgânica” é outra barbaridade que se houvesse
      um rigor na nossa profissão, como existe na Medicina, isso já seria motivo para uma cassação de diploma por charlatanismo.

      O humus, que ninguém até hoje sabe como é sintetizado, NÃO É O PRODUTO DA DECOMPOSIÇÃO INCOMPLETA DA MATÉRIA ORGÂNICA. Ponto.

      O que sabemos, é que a matéria orgânica vai se decompondo ATÉ UM DETERMINADO PONTO, mas a partir desse ponto ela passa a ser
      reconstruída novamente. OK ? E esse é o grande mistério da Natureza, ou de Deus, como queiram. Ninguém, até hoje descobriu o porque de,
      a um determinado momento, as moléculas deixarem de ser reduzidas a unidades menores e passarem a ser reconstruídas a unidades maiores formando, então, os ácidos humicos e huminas.
      Isso é o que acontece. E essa reconstrução é feita exatamente PELOS PRÓPRIOS MICRORGANISMOS do solo. PONTO.

      Dessa forma, não existe o tal de “quando acabar de decompor a M.O., vão decompor o Humus”. Esse processo, decomposição de M.O., por um lado, e construção do Humus pelos microrganismos, por outro lado, são processos que acontecem ao mesmo tempo. São feitos por grupos distintos de microrganismos.

      Vou tentar aqui nesse pouco espaço te dar uma idéia de como as coisas se processam:

      A coisa toda se processa como uma Cascata Biológica.

      Todo o processo se dá a partir da Fotossíntese, que produz o chamado “Carbono Liquido” e o envia para as raízes.
      Açucares são liberados como exudatos radiculares. As populações de bactérias de desenvolvem rapidamente e utilizam esses
      açucares. A medida que as populações bacterianas se desenvolvem elas extraem minerais da matriz do solo e constroem suas
      próprias células e protoplasmas.
      As plantas absorvem os metabólitos microbianos e se tornam excepcionalmente eficientes em termos energéticos, o que
      resultam em níveis elevados de lipídeos.
      O processo de exudação de lipídeos se inicia e são digeridos pelas comunidades fúngicas que, então, começam a se expandir
      rapidamente.
      É dessa digestão fúngica de lipídeos que resulta na formação de substancias húmicas estáveis com meia vida de centenas de anos.

      A humificação é o final do processo que começa na fotossíntese e eu desconfio que é totalmente ditado pelos microrganismos de solo,
      a.k.a., bactérias, já que as plantas enviam até 97% , em alguns casos, de todo o seu fotosintetizado para o solo nos dando a impressão
      que não são elas que, de fato, “dão as cartas”.

      Todo o sistema vegetal está montado em cima do trabalho de captar o CO2 da atmosfera e lavá-lo ao solo que é, no final das contas, o lugar dele sob a forma de HUMUS ESTÁVEL.

      A falta de entendimento de como se processa a Natureza não contribui em absolutamente nada para que possamos tomar as devidas
      providências sobre como manejar a cobertura vegetal.

      Espero ter respondido as suas perguntas.

      José Luiz

      Curtir

  4. Respondeu sim, muito obrigado. Espaços como esse, em que podemos discutir ciência sem se preocupar com o “ego ideológico” dos envolvidos e/ou citados são raros. Afinal de contas, resolver problemas é mais importante do que massagear a vaidade de quem quer que seja. Muito obrigado pela sinceridade intelectual.
    Fábio

    Curtir

  5. Bom dia,

    Você teria um bom autor/livro pra recomendar sobre materia organica e humus? Essas informações que citou acima por exemplo, aonde posso encontrá-las além daqui?

    Muito obrigado
    Fábio

    Curtir

    1. Veja, eu venho organizando uma biblioteca sobre Agricultura Sustentável com ênfase em Agricultura Biológica desde 1998.
      Hoje devo ter mais de 300 livros sobre esse assunto além de assuntos correlatos, a maioria dos quais nenhum desses chamados “agro ecologistas” brasileiros sequer suspeitam que possam existir.
      Como todo mundo comecei com o “Manejo” da Primavesi e com o livro do Chaboussou. E também com as indefectíveis cartilhas agroecológicas que misturam agricultura com política. Eu pude logo perceber que “desse mato não iria sair nenhum coelho “.

      Aqui no Brasil, infelizmente ainda estão muito em cima do livro da Primavesi que está cheio de incorreções e do tal de Chaboussou que igualmente está cheio de meias verdades e de falsas informações. O mantra da “proteólise X proteosíntese” é simplesmente risível.
      E a prova do que eu digo, é que essa agricultura que se originou desses ensinamentos conseguem apenas cultivar no máximo 1% de toda a área agricultável do Brasil e com produtos com qualidade e densidade nutricionais de baixa qualidade.
      Esse tipo de agricultura não vai decolar e não vai dar em nada.

      Além do mais, e ai eu sinto muito em dizer isso mas, Sorry Periferia, tive o prazer e a honra de conviver com Charles Walter fundador da ACRES USA e autor de vários livros sobre Eco-Agriculture, Dr Dan Skow, DVM, aluno direto de Carey Reams, Bruce Tainio, esses infelizmente já falecidos e com Dr Phil Callahan, Dra Elaine Ingham, Neal Kinsey, aluno direto do Prof William Albrecht, Phill Wheller, amigo pessoal e aluno direto de Carey Reams, Dr Arden Ardensen, aluno de Carey Reams,, Hugh Lovel, Graeme Sait, todos meus amigos pessoais e agora com John Kempf, jovem brilhante e herdeiro de toda essa tradição, com quem aprendi bastante também.
      Posso ter esquecido alguém e desde já me desculpo.

      Vc me pergunta de onde saiu o que eu citei “acima” ( agora abaixo).

      Obviamente, da minha própria cabeça é que não foi. Não sou Auto-Didata. Aliás, nem existe tal coisa. Ninguém consegue educar a si próprio. Todo mundo é educado e influenciado por alguém. Eu fui muito influenciado por todos esses mestres e mentores. Foi de algum deles que saíram as minhas ideias. Na verdade de todos eles.

      No Brasil, quem lê muito é discriminado. Principalmente, se as coisas que são lidas não fazem parte daquele “cardápio” previamente estabelecido pelo status- quo politico ideológico esquerdizante que domina a academia, imprensa, governo e Ongs.
      Portanto, eu lhe passo essa lista já com essa devida advertência.

      Mas vc esteja a vontade p/ consultar os seguintes livros que vão lhe dar uma idéia muito clara sobre o que eu disse, sobre Humus para início de conversa. A Cascata Biológica, ainda não pois fiquei sabendo dela nesse ultimo evento da Acres USA de Dezembro de 2018 no qual o Kempf comentou mas ainda não publicou, mas existem evidências de sobra para corroborar o que ele disse e que eu coloquei aqui.
      Mas, se o seu interesse não for acadêmico, eu simplesmente não vejo nenhuma razão na sua pergunta.
      Eu já trabalhei, construi, palestrei, ministrei cursos e publiquei o suficiente para que A MINHA PALAVRA simplesmente seja o suficiente.
      Será que eu preciso ficar citando as fontes o tempo todo ?
      Eu devo te alertar que em outros países isso realmente não é visto com bons olhos.
      Aqui no Brasil eu já me acostumei porque essa figura de linguagem, ou seja, o “Argumentum ad Ignorantia” é bastante usado sem o devido cuidado se isso irá ferir ou não a susceptibilidade do interlocutor.
      Ou não ?

      Mesmo assim te faço a gentileza de listar as obras abaixo:

      1. Krasil’Nikov, N.A. (1958) Soil Microorganisms and Higher Plantas, Academy of Sciences of the USSR, Institute of Microbiology, Published for The National Science Foundation and The Department of Agriculture USDA by the Israel Program for Scientific Translation em 1961.
      Dois Volumes. Esse livro é fundamental. Toda essa informação da antiga URSS ficou “represada” devido a Guerra Fria.
      Esse é o pai dos burros. Esse eu te garanto que a Primavesi não leu. Centenas de pgs. IMPORTANTÍSSIMO.
      2. Rateaver, B and G (1993) The Organic Method Primer, The Rateavers, Ca., 596 pgs. Também não deve ter lido.
      3. Garcia, J.L.M. ( 2003) Curso Teórico e Prático sobre AGRICULTURA BIOLÓGICA, Instituto de Agricultura Biológica, 200+ pgs. Não leu mas me pediu cópia de todas as ilustrações contidas nessa apostila-livro, em 2003, em um evento do Instituto Biológico de SP.
      4. Albrecht, W.A. ( Varias datas ) The Albrecht Papers, Coleção de 7 volumes, Acres USA., mais de 1.500 pgs.

      Com relação a Compostagem e Humus, já que os dois estariam relacionados, temos:

      I . Walters, Charles. (1993) Fletcher’s Sims Compost, Acres USA, 247 pgs.
      II. Walters, C. & Fenzau, C.J. (1996) ECO-FARM, Acres USA, 447 pgs.
      III. Beck, Malcolm ( 1997) The Secret Life of Compost, Acres USA, 150 pgs.
      IV. Zimmer, Garry ( 2000) The Biological Farmer, Acres USA, 351 pgs.
      V. Lovel, Hugh (2016) Quantum Agriculture, publicação própria, Australia.
      VI. Erhard, Henning (1995) Secret of Fertile Soils, Acres USA, tradução da versãp alemã publicada em 2015, 188 pgs. – MUITO IMPORTANTE
      VII. Brunetti, Jerry ( 2014) The Farm as Ecosystem, Acres USA, 335 pgs.
      VIII. Ohlson, Kristin ( 2014) The Soil Will Save Us, RODALE, 242 pgs.
      IX. Montgomery, D.R. ( 2016) The Hidden Half of Nature, W W Norton & Co., 309 pgs.
      X. Ridzon, Leonard ( 1994) The Carbon Cycle, Acres USA, 150 pgs.

      Eu me orgulho muito de ter leitores em todas as partes do mundo. O tradutor do Google hoje permite que isso ocorra.
      Vejam vocês que depois do Brasil, por motivos óbvios, os maiores leitores que eu tenho estão localizados nos EUA e depois no Paraguai.
      Portugal, por exemplo, pais de língua portuguesa, lê muito pouco os meus textos. Isso nos dá uma idéia indireta de quão provincianos e
      atrasados eles são. Devem sofrer justamente daquelas amarras politico-ideológicas que eu citei acima. Mas posso estar enganado.
      O Paraguai, mesmo sendo um país de língua hispânica, é um país dinâmico que cresceu 7% no ano passado, progressista, de mente aberta
      e tenho certeza que está colhendo os devidos frutos dos meus ensinamentos.

      Nos meus cursos eu procuro sempre veicular esses ensinamentos que foram boicotados e suprimidos de todos vocês por décadas devido
      a essa intolerância politico-ideológica dos chamados ícones da agro ecologia.

      De toda maneira eu te agradeço, porque a sua pergunta demonstra simplesmente que é preciso escrever mais sobre o que vem a ser o Humus. O seu papel no solo, os dois tipo que existem – o lábil e o resistente, o processo formador, o porque no Brasil , as vezes fica mais difícil esse processo de acumulação e que gerou a falsa idéia do “solo tropical” outra falácia das teorias esquerdizantes, e assim por diante.

      Quem sabe HUMUS não seja o titulo do meu próximo artigo ?

      Atenciosamente

      Jose Luiz M Garcia

      Curtir

  6. Bom dia
    Muito obrigado pelas fontes citadas. Bom, não sou acadêmico, sou produtor, tenho 33 anos e estou no começo da minha caminhada, mas tenho uma curiosidade científica enorme e estudo diariamente. Foi só por isso que perguntei, na verdade esse blog tem sido uma das minhas principais fontes de informação nos últimos meses. Entro aqui diariamente.
    Tomo ele como um norte, e perguntei sobre as fontes pois acreditei no que você disse, e quis me aprofundar no assunto, longe de duvidar da sua palavra, eu a levei a serio e quis seguir o caminho que o seu texto indicou.
    Tenho uma lista de livros a comprar e ler, quase todos saídos daqui.
    Muitíssimo obrigado pelas referências, pode ter certeza que serão lidas.
    Estarei no curso em Pindamonhangaba.

    Um abraço
    Fábio Ribeiro.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s